segunda-feira, 13 de junho de 2011

Sarau dos namorados

Os namorados ganharão um momento especial no próximo Sarau com Café, dia 30 de junho, às 19h30min, junto ao espaço da Cafeteria Sabor Café e Livraria Nova Letra, em Taquara. O encontro terá como novidade um concurso literário, onde qualquer pessoa pode participar escrevendo sua história de amor ou desamor, encontros ou desencontros, sonho e fantasia. Vale poema, conto, crônica e até letra de música. Para participar, basta enviar o seu texto até o dia 27 de junho para o e-mail saraucomcafe@gmail.com. Mais informações podem ser obtidas com os organizadores do sarau ou pelo telefone 8437-5806.

Os três melhores textos serão premiados com cinco fotos tamanho 15X21 feitas pela fotógrafa Letícia Wolff (primeiro lugar); um kit da Sex Shop Haide (segundo lugar); e um kit da marca Daniel Confortin (terceiro lugar), todos de Igrejinha.

O sarau, organizado por Roseli Santos, Anna Amélia Fleck, Ilana Lehn, Chico Paz e Adolfo Silva, comemora oito anos de atividades em 2011 e vem realizando encontros em várias cidades da região, além dos eventos mensais em Taquara.


AGENDA - nesta quinta-feira, dia 16 de junho o Sarau com Café estará na livraria Fnac do Barra Shopping, às 19 horas, em Porto Alegre, participando de um projeto conjunto com o Sarau Beatles. Dia 8 de julho, fará uma participação especial em evento com os alunos do Colégio Santa Teresinha, às 10 horas, em Taquara. Em julho, já está programada, também, uma atração especial para as comemorações dos oito anos do evento,  em Taquara.

“Nos empenhamos cada vez mais para interagir com a comunidade e levar música, arte e literatura para toda a região, reforçando o hábito da leitura especialmente entre os jovens”, afirma a jornalista Roseli Santos.

O Sarau com Café tem apoio cultural de Cafeteria Sabor Café, Casa das Lãs, Cirurgiã Dentista Stefani Lanius Adam, Clínica de Ortopedia João Guilherme Hackmann, Faccat, Invento Propaganda, Estúdio Pro Produções, Livraria Nova Letra, TCA Informática e Prefeitura de Taquara.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Mais livres

Por Roseli Santos


Ouvi um comentário sobre a liberdade conquistada à medida em que envelhecemos. Ao contrário do que possa pensar a maioria das pessoas, os mais jovens, especialmente, entendi (ao longo de muitos anos, obviamente) que ficar mais velho é uma maneira de nos livrarmos de algumas amarras e de nos tornarmos cada dia mais livres. 

A passagem do tempo revela a sabedoria que acumulamos sem percebermos e nos presenteia com uma liberdade imensa de podermos dizer, gritar, ignorar, optar, discutir e escolher o que bem entendermos. Tem coisa mais maravilhosa na vida do que ser dono do próprio nariz? Há um preço, claro, como ser responsável e responsabilizado por todas as nossas atitudes, além das contas a pagar, certamente, se você já abandonou a casa dos pais.

Não se cresce impunemente, mas também não se é jovem e totalmente livre. Não me refiro à liberdade de ir e vir, apenas, mas principalmente ao livre pensar, livre arbítrio, liberdade conquistada a cada dia, em gestos, em posicionamentos, em cada aluguel pago do próprio salário, em cada palavra dita ou escrita, a cada dia que passa.

Isso me soaria, aos 20 e poucos anos, como uma conversa para “boi dormir”. Pensava que já era livre aos 15 anos de idade. Imagina, que blefe. Só depois de sobreviver a mais três décadas de tudo um pouco é que comecei a me dar conta, quase sem querer, do valor da minha vida e das minhas conquistas.

Ficar mais velha ou mais experiente, como dizem alguns, me deixa hoje mais livre para seguir em frente, ainda que isso signifique estar mais próxima do fim do que do começo da jornada. Mas o final talvez não signifique o pior. Talvez o pior esteja em tudo o que esquecemos de dizer, no amor que não compartilhamos, no sorriso que ignoramos, nos amigos que perdemos, nos projetos que abortamos e na liberdade que não acumulamos, ao longo dos 15, 20, 30, 40, 50 anos, etc, etc, etc..

Se tudo tem um tempo, o meu é agora. E se a liberdade tem um preço, o tempo é cúmplice e fiel companheiro, a cada ano que passa.