sexta-feira, 27 de março de 2009

Recomeçando



Recomeçar é sempre estimulante. É como viajar e voltar para casa, depois de algum tempo. Nesta quinta-feira, dia 26 de março, retomamos nossos encontros mensais do Sarau com Café de uma maneira muito especial, em Taquara. Lançar o CD do Chico Paz, músico parceiro do evento há anos, foi gratificante e emocionante. Acompanhado da banda “Os Figurões”, Chico mostrou o caminho que segue, determinado, fazendo o que ama.

O primeiro sarau do ano nos trouxe também a companhia renovadora da psicóloga Anna Amélia Fleck, de Igrejinha, que agora integra o grupo, juntamente comigo e com a Ilana Lehn Fernandes, para os comentários e blocos de leitura. Momento único, com certeza, marcante para todos nós, confirmando que o sarau já extrapola as fronteiras de Taquara.

Tudo isso foi complementado pela beleza da exposição fotográfica “Pela luz dos olhos meus” de Inezita Cunha, um presente para o grande público que foi prestigiar o evento, assim como pela performance do grupo teatral “Cheiro de Chuva”, interpretando vários poemas.

Saímos leves, renovados e revigorados pelo calor da comunidade expressa nas palavras carinhosas da Clair, nos olhares e no talento do Dani, no sorriso tímido do cidadão escondido na última fila, na emoção incomparável em ouvir a apresentação da jovem e exímia pianista Luíza e nos aplausos e abraços apertados que nos motivam há seis anos a compartilhar alegria, sentimentos, textos, música e, acima de tudo, o amor intenso que alimentamos por todos vocês.





segunda-feira, 16 de março de 2009

Figurão


Tenho um amigo que é uma figurinha, um figurão, na verdade, uma figuraça. Talento e sensibilidade. E só isso já seria suficiente para eu dedicar este espaço a ele. Acontece que, mais do que parceiro há anos do Sarau com Café, ele é uma pessoa daquelas difíceis de se encontrar por aí. São poucas no mundo, tenho certeza disso. Gente como o Chico Paz é coisa rara. Traz uma bagagem de humanidade e educação que vem de berço, de casa. Poucos, muito poucos que conheci são gente como ele.

Acredito na força de um jovem músico, trilhando, aprendendo, errando, buscando, querendo saber mais. É uma situação peculiar a alguns profissionais, em qualquer área, quando cientes do que amam fazer. Correr atrás do que se gosta, não desistir no primeiro tropeço. Seguir..

E lá vai aquela figurinha, agregando ao álbum de sua vida mais amigos, mais experiência, mais conhecimento. Quase trinta, diz ele, mentindo a idade que não aparenta e que pouco importa. Aliás, vale o que ele nos acrescenta a cada ano de sarau, a cada encontro compartilhado com outros músicos, aliando literatura, música, arte.

O primeiro CD solo surgiu agora. O momento é dele e estaremos lá, dia 26 de março, no Sarau com Café, para mostrarmos mais dele mesmo. Tudo tem seu tempo, Chico. As coisas andam, sim, na direção que se quer, quando nos propomos com convicção a isso.

A cultura musical da região é rica e diversificada, ainda que alguns insistam em ignorar o que não diz respeito a seus próprios umbigos. E não me venham dizer que cultura não é lazer. Por favor! Música é tudo isso e muito mais, basta ouvir. Claro que podemos não gostar de determinados estilos, mas talento é talento, independentemente de gostarmos do que ouvimos, lemos ou assitimos.

O Sarau com Café continuará sendo o que sempre foi, um espaço aberto, sem vínculos políticos, partidários ou qualquer outro atrelamento senão com o que nos comprometemos há seis anos. Por isso, sobrevivemos, e resistimos bravamente.

Um orgulho lançar teu CD solo, Chico Paz, num país onde viver de música é algo muito, muito complicado, mesmo com talento. Aliás, o sarau, como outros movimentos que surgem, está aí para isso mesmo. Assim como tu, sabemos que outros músicos virão, aprendendo, evoluindo, conquistando seu momento. E se encontrarem um espaço para gritar a sua arte, como o sarau, já nos sentiremos gratificados por toda a caminhada.



quinta-feira, 5 de março de 2009

Aqui estou


A sensação é a mesma daquela em que nos deparamos com a página em branco e temos que escrever a primeira redação da nossa vida. Vencido o primeiro momento de apreensão (e isso levou algum tempo), aqui estou, motivada e pressionada, sim, queridos amigos, a publicar meus textos, pensamentos, ideas e, claro, tudo sobre o Sarau com Café.


O medo inicial se transformou em um desafio prazeroso, capaz de me impulsionar a ir além, com certeza. Um caminho sem volta, talvez, que já venho trilhando com cautela, mas com a convicção de que escrever é mais do que terapêutico. É fonte inesgotável de um aprendizado que não acaba nunca. Escrever, escrever, escrever. E compartilhar, diria meu amigo advogado Ney Caminha Monteiro Jr, a quem agradeço a “campanha” pelo “Blog da Rose” e a ousadia de se propor a ser cobaia nos meus experimentos literários, assim como ao fotógrafo e escritor Jerri Rossato Lima pelas longas discussões e apoio incondicional sempre, além das misturas brutas que têm surgido inesperadamente a quatro mãos. Bem, e sem o meu amigo publicitário Rafael Hartz eu não teria criado blog algum, por pura ignorância operacional.


O “insight” ocorre no momento incerto e de onde menos esperamos. A motivação para escrever vem de nós mesmos. Já o impulso para publicar textos pessoais, revelar-se (ao contrário do jornalismo, onde o fato é soberano), vem dos amigos e dos colegas de profissão que nos leem, dos que nos criticam, dos que nos adoram e nos odeiam. Benditas diferenças ressaltando a nossa singularidade!


O nome Sarau com Café, associado a mim, à Ilana Lehn Fernandes e ao músico Chico Paz, foi escolhido para este blog por significar muito mais do que um encontro literário, musical e artístico. Para nós, o sarau é marco de crescimento e troca de experiências, aliado ao amor à leitura, à liberdade de expressão e ao livre pensamento. Junior, lamento te decepcionar, mas este blog não é da Rose, e sim de todos vocês. Sintam-se à vontade para opinar, enviar sugestões e em compartilhar comigo este espaço. Desde já, um prazer e uma alegria. Vamos em frente...


Até a próxima.